Manezinho é desconfiado, mas quando vira teu amigo, quiridu, tásh feito!  Neste 20 de julho a gente comemora o Dia do Amigo. Um ótimo momento pra gente lembrar três marcantes amizades manezinhas e que serão lembradas pra sempre. Ixpia:

:: Já me segues no Instagram? É só clicar aqui!
:: Meu trabalho tem valor pra ti? Então apoia usando PicPay, PagSeguro ou transferência!

1: Miguel Livramento e Roberto Alves

roberto alves miguel livramento

Esses dois marcaram época no Rádio e na TV. Passaram juntos um dos momentos mais tensos de suas vidas: quando um policial armado invadiu o estúdio onde eles apresentavam o programa ao vivo.

Miguel e Roberto são lendas vivas da crônica esportiva de Floripa. São ícones de amizades manezinhas, principalmente na forma de discordar. Eles trabalharam juntos na TV Cultura, RCE, Band e RBS, entre outras, além de rádios como a CBN Diário. Roberto segue na mídia tradicional. Miguel deixou a mídia tradicional há pouco tempo.

E se tem um vídeo que mostra como os dois ficam à vontade pra discordar, é esse clássico aqui em cima!
Nele, Miguel manda aquela frase: “Se isso aí não é pênalti, a minha vó é uma bicicleta”!

:: Clique pra receber por WhatsApp a programação dos passeios históricos 
:: Ixpia meus roteiros caminhando por Floripa!

2. Luiz Henrique Rosa, Zininho e Raul Caldas Filho

Zininho é autor do Rancho de Amor à Ilha. Com Luiz Henrique Rosa, maior nome da Bossa Nova em Santa Catarina, compôs Se o Amor é isso. Juntos, eles tiveram também um estúdio de gravação nos anos 1970, em Floripa.

Raul Caldas Filho, escritor e também compositor era grande amigo da dupla. Ele também compôs com Luiz Henrique algumas canções como Jandira e Sonhar, do disco Mestiço (1975) que tu podes ouvir aqui, no site oficial do Luiz Henrique Rosa.

Zininho (E) e Luiz Henrique compuseram “Se o Amor é Isso”

Perguntei pra Cláudia Barbosa, filha de Zininho, como ela definia essa entre tantas amizades manezinhas. Ela disse assim:

“Diria que isso representa uma irmandade, que é quando as duas coisas se encontram: a amizade e a parceria. É uma forma rara de amor.”

Cláudia Barbosa, Zininha

Ela lembrou ainda de muita gente querida neste período: Neide Mariarrosa, Adolfo Zigelli, Waldir Brazil, Antunes Severo, Aldo Gonzaga. Todos unidos pelo Amor à Ilha.

3. Virgílio Várzea e Cruz e Sousa

Horácio de Carvalho (E), Virgílio Várzea (ao Centro) e Cruz e Sousa

Dois dos nossos nomes mais brilhantes da poesia e da literatura. Virgílio Várzea é autor de Santa Catarina – A Ilha (1900), que é uma delícia de narrativa sobre a cidade e seus bairros naquela época. Cruz e Sousa, negro, é maior poeta simbolista do Brasil.

Na foto, aparece também Horácio de Carvalho, filho de um dos patrões de um comércio em quem Cruz e Sousa trabalhou. Lá por 1890, os três, empolgados com a literatura, o verso e a prosa, criaram um grupo que chamaram de “A Guerrilha de letras catarinenses”.

Virgílio Várzea e Cruz e Sousa se conheceram em 1876. Virgílio Tinha 12 anos, Cruz e Sousa, 17, e ambos estavam numa festa de aniversário.

A paixão pelas letras os aproximou. Os dois publicaram juntos Tropos e Fantasias (1885).

 

Virgílio Várzea passou anos fora da Ilha (foi da Marinha de Guerra, chegou a ir para o Rio da Prata, Cuba e Cabo Verde). Quando voltou à antiga Desterro, os dois se reencontraram e afinaram o trato pela poesia.

Eles fizeram coisas que amigos fazem. Uma vez, Virgílio escreveu versos para o amigo poeta avaliar. Morreu de vergonha.

Cruz e Sousa, como bom amigo, disse:

“Estreaste muito bem. Não esperava tanto. Agora, é prosseguir com coragem…”
Cruz e Sousa, para o amigo Virgílio Várzea

Anos mais tarde, já em dificuldades, os dois trocaram cartas sinceras. Elas estão documentadas pelo Santa Afro Catarina, programa da UFSC. Clica aqui pra ler.

Em um dos trechos, Cruz e Sousa descreve:

Adorado Virgílio
Estou em maré de enjôo físico e mentalmente fatigado. Fatigado de tudo: ver e ouvir tanto burro, de escutar tanta sandice e bestialidade e de esperar sem fim por acessos na vida, que nunca chegam. Estou fatalmente condenado à vida de miséria e sordidez, passando-a numa indolência persa, bastante prejudicial à atividade do meu espírito e ao próprio organismo que fica depois amarrado para o trabalho.

Mais sobre Cruz e Sousa

Tu já deves ter visto o mural dele bem no Centro, ao lado do Palácio que também tem o nome dele. Também te sugiro assistir ao documentário Cisne Negro, que foi lançado em julho de 2020 e conta com beleza, sensibilidade e conteúdo a vida do poeta. Ixpia:

Amizades manezinhas entre mulheres

Neste resgate, senti falta de registro de grandes amizades entre mulheres importantes em Santa Catarina. Por isso, tuas sugestões nos comentários são muito bem-vindas!

:: Já me segues no Instagram? É só clicar aqui!
:: Meu trabalho tem valor pra ti? Então apoia usando PicPay, PagSeguro ou transferência!
:: Clique pra receber por WhatsApp a programação dos passeios históricos 
:: Ixpia meus roteiros caminhando por Floripa!

3 thoughts on “Dia do amigo: três amizades manezinhas que emocionam
  1. Quésia Cunha disse:

    Que lindeza para alma o resgate dessas histórias. Ao tempo que emociona também nos inspira! Gratidão!

    1. Guia Manezinho disse:

      Querida Quésia. São sentimentos assim que nos embelezam o caminho. Um abração e obrigado sempre!

Write a Reply or Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *